Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento

Mato Grosso do Sul busca parceria do BRB para ampliar linhas de financiamento
consorcio_brasil_central_brc

O Governo de Mato Grosso do Sul quer que produtores rurais e empresários dos setores de comércio, serviço e turismo tenham mais acessos às linhas de crédito do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste). Para isso busca parceria com o BRB (Banco de Brasília) para ampliar a oferta de recursos. Nesta terça-feira (1°), o governador Reinaldo Azambuja e o CEO e do BRB, Paulo Henrique Costa, se reuniram na capital federal para discutir a atuação da instituição financeira em Mato Grosso do Sul. O secretário estadual Jaime Verruck (Semagro) e o deputado federal Beto Pereira também participaram da reunião técnica.

Na reunião, o governador apresentou as potencialidades econômicas e produtivas do estado e o plano de investimentos em infraestrutura.

Os obras já estão elencadas e em sua maioria vão atender as demandas de infraestrutura para o escoamento da produção agrícola e pecuária. “A economia de Mato Grosso do Sul, ao contrário de todo país, cresceu em 2020. Nosso agronegócio é muito forte e em 2021 a expectativa é de crescimento de 2,7% do PIB estadual”, explicou o governador.

De janeiro a julho de 2020, o superávit da balança comercial do Estado foi 29,37% maior em relação ao mesmo período do ano passado. “Nossa estratégia, além dos protocolos de biossegurança para a gestão econômica durante a pandemia, foi sempre apostar na diversificação econômica. Enquanto uma cadeia produtiva não está em alta, outra está, cana, soja, suíno, dentre outras”, afirmou Verruck.

Na audiência, foram sondada formas de financiamentos para compor os investimentos que serão realizados a partir de 2021, como também a possibilidade de parcerias entre o BRB e produtores de Mato Grosso do Sul. “Esse diálogo com instituições financeiras apenas é possível com saúde financeira, planejamento, recursos próprios e projetos dialogados com a população e o setor produtivo”, finalizou Beto Pereira.